FIQUE SÓCIO!
Notícias
COMPARTILHAR

Em reunião com sindicalistas Ministro do Trabalho defende NR 12

Por Auris Sousa | 15 maio 2014

O diretor Luis Carlos de Oliveira, o Luisinho, responsável pelo Departamento de Saúde e Segurança do Trabalhador do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, participou de reunião com o ministro do Trabalho e Emprego Manoel Dias, na terça-feira, 13 de maio.

Ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, defendeu a NR-12 em reunião

Este debate foi agendado por intermédio do secretário-geral da Força Sindical João Carlos Gonçalves, o Juruna, a pedido do Fórum de Saúde e Segurança do Trabalhador das centrais sindicais, e teve como tema principal a norma regulamentadora NR12, que prevê proteção em máquinas.

“Tínhamos informações de que os empresários, representados pela CNI [Confederação Nacional da Indústria], estariam buscando no Congresso Nacional uma medida para suspender a aplicação da NR12”, diz Luisinho.

Diante da dificuldade de avançar a proposta no Congresso, a CNI procurou o ministro Manoel Dias, reclamando dos custos das empresas na adequação do parque industrial à nova norma.

“Eles estão tentando reabrir uma nova discussão sobre a NR12 junto à CTTP, que é o órgão do Ministério do Trabalho que trata das normas regulamentadoras em segurança e saúde do trabalhador”, diz Luisinho, “por isto nos reunimos com o Ministro para que ele conheça melhor nossa opinião sobre o assunto”.

Na reunião, o ministro disse ser favorável ao diálogo e que os problemas devem ser debatidos em comissão tripartite (governo, empresários e trabalhadores) e não de forma isolada. “Saímos da reunião com o compromisso do Ministro de defender os direitos e as conquistas dos trabalhadores e de não suspender a NR12”, finaliza Luisinho.

Para Miguel Torres, presidente da Força Sindical e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, “a NR12 é uma norma fundamental para que as máquinas tenham proteção e possamos avançar na luta permanente por ambientes de trabalho cada vez mais seguros e saudáveis para a classe trabalhadora”. [Fonte: CNTM]