FIQUE SÓCIO!
Comissão Municipal da Verdade de Osasco
COMPARTILHAR

Metalúrgicos de Osasco sinalizam caminho da luta pela democracia

Por admin | 01 abr 2016

Elas mexiam com pólvora o dia inteiro. Em 16 de junho de 1968, seus corações pegaram fogo

Aquecimento em preparação para a caminhada - Fotos Eleonora de Lucena

Aquecimento em preparação para a caminhada – Fotos Eleonora de Lucena

Como se fossem uma, as 500 trabalhadoras da Fósforos Granada pararam, desligaram máquinas, saíram de seus postos de trabalho, cruzaram os braços. E foram para a rua, que já começava a ser ocupada pela polícia.

Nem metalúrgicas eram, aquelas moças. Mal ouviam falar de sindicato, porque a entidade dos químicos, que supostamente as representavam, estava calada, quieta, talvez até agindo de braços com o inimigo.

As mulheres da pólvora, não.

Mesmo sem comissão de fábrica, sem terem visto panfletos nem acompanhado discursos, sabiam que precisavam agir, que os companheiros do outro lado da rua necessitavam seu apoio, sua presença, sua participação.

Em pleno vigor da violência policial e política sobre os trabalhadores, no momento em que qualquer atitude de rebeldia ou de protesto era recebida a borrachada, prisão e assassinato, os metalúrgicos de Osasco se levantaram.

O apito da Cobrasma, que dava a hora do dia para toda a cidade, tocou diferente. Quando soou, inesperadamente, por volta das 8h30, foi o sinal para os trabalhadores agirem.

Sem um tiro, apenas com a força do movimento, tomaram as guaritas da fábrica, fecharam os portões, pararam as máquinas, ocuparam o complexo fabril onde mourejavam milhares de operários.

Neto explica como eram as instalações da Lonaflex, aponta onde ficavam os prédios da fábrica

Neto explica como eram as instalações da Lonaflex, aponta onde ficavam os prédios da fábrica

Construída em silêncio, na clandestinidade, a tomada da Cobrasma transformou-se em grito pelas ruas de Osasco.

Como se fossem peças de dominó enfileiradas, as outras fábricas instaladas ao longo da avenida dos Autonomistas foram caindo. Na Lonaflex, onde os trabalhares tinham conquistado melhorias salariais e funcionais havia pouco tempo, a paralisação foi em solidariedade.

E foi por solidariedade que as mulheres da Fósforos Granada pararam, saíram para a rua e seguiram em passeata até o Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco, continuaram até a Cobrasma ocupada.

Lá chegando, ocuparam de imediato postos de sustentação do movimento. Organizaram uma enfermaria, trataram de botar a cozinha em ordem, ajudaram a solidificar a infraestrutura da greve.

A história da paralisação das químicas, de sua determinação solidária, foi contada e recontada na manhã de hoje em Osasco, em caminhada que relembrou a Grande Greve de 1968. Foi a 36ª etapa da CORRIDA POR MANOEL, que contou com o apoio, a presença e a organização dos Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco.

Já com sol forte, nossa turma se reuniu no local onde, há 50 anos, funcionava a Lonaflex, a segunda grande fábrica a parar na greve de 68. Hoje é um enorme shopping, mas o grande espaço aberto não impediu que grevistas da época revivessem aquelas momentos dramáticos, emocionantes, assustadores e instigantes.

Dos mais profundos escaninhos de sua memória, um dos fundadores do Sindicato contava como os trabalhadores se organizavam na época, como eram os prédios da empresa.

Manoel Dias do Nascimento, o Neto, mais tarde seria um dos quadros da Vanguarda Popular Revolucionário, ajudando a organizar a infraestrutura do trabalho de treinamento de guerrilha comandando pelo capitão Carlos Lamarca no Vale do Ribeira. Preso, foi um dos libertados no sequestro do embaixador suíço, em 1970.

corte 1 caminha jorge

Jorge Nazareno, presidente do Sindcato dos Metalúrgicos de Osasco, comanda a caminhada da 36ª etapa da CORRIDA POR MANOEL

Isso tudo foi depois. Agora, enquanto nos concentramos para a caminhada, Neto foca em 68, lembra como todos se organizavam para passar por cima de eventuais diferenças de visão política:

“O companheiro podia ser da Polop, do Partido Comunista, do PC do B, mas, quando chegava dentro do sindicato, a palavra era: ‘Olha meu caro, a camisa aqui é do sindicato. A camisa aqui é dos trabalhadores’”.

Foi com essa visão, afirma, que conseguiram montar o movimento que desafiou a ditadura militar, que colocou nas ruas a voz dos operários, que foi um precursor das grandes greves do ABC paulista.

Movimentos todos que deixaram grandes exemplos de luta e de lutadores, de mártires como Manoel Fiel Filho, destacou Jorge Nazareno, o presidente do sindicato, que assumiu também o comando de nossa jornada de hoje.

Com faixas e cartazes, o grupo de cerca de 30 pessoas ocupou uma das faixas da avenida dos Autonomistas e desceu para um mergulho na história das lutas operárias.

Fizemos breves paradas em frente aos locais onde funcionaram gigantes daquela época, hoje não mais atuantes em Osasco, como a Asea Brown Bovery, que também faz parte de minhas memórias como repórter.

Uma das primeiras reportagens de campo que fiz, trabalhando na revista de informática “Dados & Ideias”, lá nos idos de 1984, incluiu uma visita à ABB. A fabricante de turbinas para usinas elétricas era, na época, pioneira no uso de CAD/CAM, desenho e manufatura auxiliados por computador.

Blogueiro barbudo tietando Neto e Espinosa

Blogueiro barbudo tietando Neto e Espinosa

Minhas lembranças, porém, se esfarelam sob o sol forte. Há que prestar atenção nas histórias que contam agora outros militantes dos idos de 1968.

Está conosco ninguém menos que Antonio Roberto Espinosa, jornalista e professor universitário que foi um dos comandantes da VPR e, mais tarde, da também guerrilheira VAR-Palmares. Em 68, com 21 anos, estava cursando filosofia na USP e ajudou a organizar a ocupação da Cobrasma.

“O momento mais emocionante foi quando vi que a greve começava mesmo, que estava dando certo. O apito tocou por volta das oito e meia, e os companheiros ocuparam as guaritas, fecharam os portões, desligaram as máquinas.”

O sonho da VPR era de que a greve fosse como uma faísca a incendiar o Brasil.

“Imaginávamos que o Ministério do Trabalho levaria alguns dias para botar a polícia. Em Contagem, em abril, eles tiveram uma tolerância de quase duas semanas, dez dias. Nós contávamos com alguns dias.”

Com aquele prazo, diz Espinosa, seria possível a expansão do movimento: “A gente contava com uma ampliação para Guarulhos, com a adesão parcial de São Bernardo. Depois, outras regiões, Cubatão, no Rio de Janeiro”.

Nada disso aconteceu, mas a greve da Cobrasma recebeu o apoio dos trabalhadores das outras empresas ao logno da avenida dos autonomistas, como a Braseixos e Barreto Keller.

corte 1 ponte vaNa Lonaflex, tomada pelos operários, ninguém entrava nem saía; um dos patrões fugiu pulando o muro da firma.
Outro, segundo nos contou Neto, pediu licença para sair à tarde, para buscar o filho na escola. Prometeu que voltaria e cumpriu sua promessa.

No final da tarde do dia 16, porém, a situação começou a mudar.

Diferentemente do esperado pelos organizadores do movimento, a repressão resolveu agir. Foram mandados soldados da Força Pública, cavalarianos, para invadir a Cobrasma e expulsar de lá os grevistas.

Em frente ao prédio onde funcionou a empresa, já com mais de três quilômetros de caminhada na nossa jornada de hoje, Espinosa lembra aquele momento, nos conta o histórico discurso de Zequinha Barreto aos militares chamados para o ataque.

Barreto era baiano de Brotas de Macaúbas. Em 1964, aos 18 anos, deixou o seminário e veio para São Paulo fazer o serviço militar. Serviu em Quitaúna, mesmo quartel em que atuou Carlos Lamarca, com quem iria morrer em 17 de setembro de 1971.

Zequinha, diz Espinosa, não tinha nada de diminutivo. “Quem ia chamar de Zequinha aquela baiano enorme, maior que eu, que andava por aí de chinelo de dedo? Para nós, ele era o Barretão.”

corte 1 espinosa

Antonio Roberto Espinosa, jornalista e professor universitário, foi um dos comandantes da VPR e, mais tarde, da também guerrilheira VAR-Palmares

Quando a polícia chegou, deu-se o impasse. Ataca, não ataca, vai ter morte, operários se preparam para o choque, outros temem o pior, a soldadesca também não sabe o que fazer…

Zequinha, de figura grandiosa por natureza, torna-se ainda maior ao subir em um dos portões da fábrica, olhando de frente para a cavalaria e soltando o berro: “Atenção, soldados!”

Começou o que entraria para a história do movimento grevista brasileiro com um dos mais emocionantes pronunciamentos de uma liderança operária. Não há registro palavra por palavra, então vale a memória de quem estava lá, como Espinosa, que hoje estava conosco na CORRIDA POR MANOEL.

“Zequinha conclamou os soldados a abaixarem suas armas, que eles não poderiam sujar as mãos com o sangue de seus irmãos, que se rebelassem. Disse que ali na empresa havia pais, avôs dos próprios soldados, que lutavam por salários dignos, que o movimento era de todos os brasileiros…”

A palavra feriu mais fundo que a baioneta, os soldados pareceram baqueados, talvez tenha até havido um movimento de insegurança –o que fazemos agora–, mas a hierarquia e a disciplina falaram mais alto.

Zequinha tratou então de colocar em ação movimento protelatório. Segundo a lembrança de Espinosa, levava no bolso algo que poderia parecer uma granada –talvez fosse mesmo. O temor de um contra-ataque violento fez com que a invasão não ocorresse de imediato, dando tempo para que a maior parte dos operários fugisse antes da entrada dos soldados na Cobrasma.

corte 2 cmainhadaO livro “Zequinha Barreto: A Trajetória de Um Revolucionário”, citado pela Comissão da Verdade do Estado de São Paulo, diz o seguinte sobre aquele episódio:

“Barreto viu que a situação ia ficar incontrolável e precisava tentar impedir que os soldados avançassem para reprimi-los. Acendeu uma tocha, correu para perto do depósito de gasolina e gritou: “Ou vocês param, ou vai todo mundo pro inferno!”. Com essa intervenção, ele favoreceu a fuga dos grevistas. Zequinha, muito solidário, foi ajudar os seus companheiros a pular o muro. Saiu quase por último e terminou surpreendido pelos soldados, que o levaram preso.”

Aquele foi o início de uma onda de prisões e enfrentamentos com a repressão. O sindicato foi ocupado pela polícia e retomado pelos trabalhadores. Um “aparelho” da VPR onde eram produzidos jornais e folhetos de propaganda do movimento foi estourado pela ditadura, e o trabalho teve de ser transferido para a zona oeste de São Paulo.

Nas ruas, aconteciam grandes assembleias. Em uma delas, dois oficiais do Exército que monitoravam clandestinamente a situação foram descobertos, desarmados e expulsos abaixo de socos e pontapés.

corte cobrasmaEsse, aliás, poderia ter sido também o fim do capitão Lamarca, caso tivesse sido descoberto pelos grevistas. Durante a greve, ele circulou pela cidade na mesma Kombi que depois usou para sair do quartel de Quitaúna levando um carregamento de fuzis. Pretendia prestar ajuda a algum ferido, mas poderia ter se dado mal, avalia Espinosa.

Depois de três dias, a greve de Osasco foi sufocada. Apesar de derrotado o movimento, os operários não perderam –nos meses seguintes, diz Espinosa, boa parte das fábricas acabou cedendo aumento e dando algumas melhorias na situação funcional.

O mais forte, mesmo, foi a herança política, na avaliação do então presidente do sindicato, José Ibrahim, que morreu em 2013. Falando na cerimônia que celebrou os 40 anos da greve, em 2008, ele afirmou:

“Se não houvesse Osasco de 1968, não haveria o ABC de 78. Sinalizamos um caminho que o movimento sindical tinha que brigar pela resistência contra a ditadura, pela democracia. Esse foi o grande legado. Tanto é que durante todo o período da resistência a grande referência era a greve de Osasco. Hoje, para muita gente dentro do movimento sindical, a greve de Osasco é o grande marco.”

corte 1 final VAUm entendimento que também está presente nas palavras de Jorge Nazareno, que falou no encerramento de nossa jornada de hoje, em frente à Meritor, uma das poucas metalúrgicas que sobrevivem no entorno da avenida dos Autonomistas:

“Essa caminhada, relembrando a Greve de 1968, serve muito para o momento atual. Ela é muito oportuna para a gente saber que os desafios de 68 não terminaram ainda.”

E prosseguiu: “Nós temos de continuar firmes, perseverantes na luta pelos direitos dos trabalhadores, pelas conquistas sociais. Esse é um desafio de todos nós e implica que devemos todos ter participação na luta em defesa da democracia”.

cprte percursoCORRIDA POR MANOEL – 36ª etapa
Destino – Circuito da greve de 1968 em Osasco, 5,61 km realizados em 2h49
Distância percorrida até agora: 377,67 km

*Esta reportagem faz parte do projeto “Corrida por Manoel”, criado pelo jornalista e maratonista Rodolfo Lucena. Acesse aqui o blog dele, conheça mais sobre a história do metalúrgicos Manoel Fiel Filho e saiba como foram as outras etapas da corrida, ao todo, são 40.