FIQUE SÓCIO!
Notícias
COMPARTILHAR

TecToy demite mais de 200 metalúrgicos por falta de componentes; Sindicato aciona Ministério do Trabalho

Por Auris Sousa | 05 maio 2022

A metalúrgica TecToy anunciou na segunda-feira, 02, a demissão de mais de 200 trabalhadores da fábrica de Cotia, em São Paulo, alegando falta de componentes. A decisão foi tomada sem negociação alguma com o Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região que já acionou o Ministério do Trabalho.

Apesar de o problema ser ocasionado por uma questão externa, ele expõe a fragilidade de a produção local depender da importação, e a urgência do Brasil fortalecer a indústria nacional. Além disso, os trabalhadores, neste caso mais de 200, não podem ser deixados à própria sorte. Alguns deles, inclusive, tem estabilidade.

Unidade da TecToy em Cotia

“A empresa se nega a negociar. Queremos buscar alternativas para reduzir o máximo possível os prejuízos para os trabalhadores. Para isso, já acionamos a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Estado de São Paulo”, explica o presidente do Sindicato, Gilberto Almazan.

Desde dezembro a empresa tem divulgado entre os trabalhadores as dificuldades para manter a produção que se agravou com o conflito entre Rússia e Ucrânia. “Recebemos pelos trabalhadores da Tectoy, com muita tristeza, a informação das demissões. Lamentamos a falta de diálogo da empresa com o Sindicato para que pudéssemos encontrar saídas para evitar essas demissões. São mais de 200 famílias afetadas, tristes e sofrendo com o desemprego. É uma tragédia social”, destaca o diretor do Sindicato Alex da Força, coordenador da região.

Gerência Regional

Durante conversa, por telefone, com o Superintendente Marco Antonio Melchior, o Sindicato aproveitou para pedir informações sobre a Gerência Regional do Trabalho e Emprego em Osasco.

Hoje quem passa em frente ao prédio localizado na Vila Yara, onde a Gerência esteve instalada por anos, encontra as portas fechadas. Um comunicado fixado no portão informa os visitantes que a Gerência, agora, funciona no mesmo prédio que o INSS, em Osasco.

“Precisamos saber de que forma os atendimentos aos trabalhadores, aos sindicatos e as empresas estão sendo realizados. E quem é o novo Gerente Regional e o novo Chefe de Fiscalização”, destaca o secretário-geral do Sindicato, João Batista.

Leia também:

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #Ed 8

Tradutor - Translator -Un Traductor