Jorge Nazareno
COMPARTILHAR

Trump X Temer

Por Cristiane Alves | 07 mar 2018

A ameaça colocada pelo governo Trump sobre a importação do aço para os Estados Unidos evidencia, de um lado, o protecionismo americano. De outro, o quanto o governo Temer se esforça por entregar o patrimônio nacional à exploração estrangeira.

O protecionismo de Trump visa atender aos interesses da indústria americana e também de seus eleitores, que escolheram a ideia de América em primeiro lugar, carro chefe da campanha do presidente americano. A medida é vendida como uma estratégia para gerar empregos e blindar a indústria deles contra concorrência a predatória.

Junto com as centrais sindicais, cobramos do governo brasileiro uma resposta à altura, em defesa dos postos de trabalho na cadeia produtiva do aço e também do interesse nacional. Porém, não podemos esperar o melhor de um governo que agoniza em escândalos e que, ao mesmo tempo, tem como norte uma política de entrega do patrimônio nacional aos estrangeiros, como vem fazendo com o pré-sal e quer fazer com a Eletrobrás, por exemplo.

Um governo que se vangloria do PIB de 1%, baseado somente no crescimento da agricultura, expressão da ausência de uma política de combate a desindustrialização, de desenvolvimento de uma indústria nacional forte, à altura da importância global do nosso Brasil. Trump erra em se fechar para o diálogo e a negociação global. Temer erra em não preparar o Brasil para reagir duramente a tamanho ataque.

Por isso também é de muita importância a iniciativa das centrais de construir uma agenda a apresentar aos candidatos. Temos de buscar o diálogo em cima das reivindicações que interessam aos trabalhadores e, certamente, geração de empregos de qualidade, respeito a direitos e a soberania nacional encabeçam a lista.