FIQUE SÓCIO!
Especiais
COMPARTILHAR

Visão Trabalhista registra momentos inesquecíveis da categoria

Por Felipe | 07 nov 2018

Com circulação desde dezembro de 1972, o “Visão Trabalhista” tem registrado nas páginas de suas várias edições momentos inesquecíveis vividos pela categoria, como a onda de greves que aconteceu em Osasco e região em plena a ditadura militar no ano de 78. Assim como, a paralisação dos trabalhadores da Cobrasma contra as demissões.   

Naquele ano, os metalúrgicos por várias vezes cruzaram os braços e pararam as máquinas para lutar por aumento salarial e melhores condições de trabalho, nem mesmo a ditadura foi capaz de barrar a categoria, que com esta postura colaborou com a redemocratização do país.

Greves mais expressivas de 78

Em junho de 1978, os metalúrgicos da Brown Boveri desligaram as máquinas para exigir melhores salários. O movimento contou com o apoio dos companheiros da Cobrasma e da Braseixos, que cruzaram os braços por 25% de aumento, entre outras reivindicações. De Osasco o movimento se estendeu para Jandira, Cotia, Taboão da Serra e Carapicuíba. Ao todo, 15 empresas ficaram em greve em até 7 dias. 

Manchete anunciava o início da grande greve de 1978.

 

De outubro a novembro, em plena a Campanha Salarial de 1978 em que os metalúrgicos exigiam reajuste de 74%, estourou a greve geral em Osasco, São Paulo e Guarulhos. Na base do Sindicato a paralisação afetou 54 empresas, que somavam 21.075 trabalhadores. Os trabalhadores tomaram a rua do Sindicato para decidir em assembleia o rumo da greve. No fim, o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) julgou e determinou o valor do dissídio: até 58%, o que não agradou ao Sindicato e a categoria, mas teve que ser aceito. 

Notícia destacava a mobilização dos operários 10 anos depois da Greve de 68.

 

Recessão X Trabalho

Em 1991, os metalúrgicos da Cobrasma fizeram greves, saíram às ruas de Osasco e exigiram o fim das demissões e da política econômica da época. Naquele ano, a empresa havia anunciado a demissão de 150 trabalhadores, após os protestos dos metalúrgicos que chamaram atenção de todo o país.

Após a pressão, 40 demissões foram suspensas e as demais passaram a ser voluntárias.

Naquele período, o Brasil ainda enfrentava as consequências do Plano Collor , que teria como função conter a inflação, no entanto, provocou uma profunda recessão, desemprego, confisco da poupança e insatisfação popular. 

Passeatas contra o recesso mobilizaram até mesmo o dono da Cobrasma.